Orientações para 5ª região

Meu povo da 5ª Região, passo a vocês algumas reflexões neste tempo que estamos vivendo.


Isaías 60:1-3
“Levante-se, refulja! Porque chegou a sua luz, e a glória do Senhor raia sobre você. Olhe! A escuridão
cobre a terra, dessas trevas envolvem os povos, mas sobre você raia o Senhor, e sobre você se vê a sua glória. As nações virão à sua luz e os reis ao fulgor do seu alvorecer. “Em vez de abandonada e odiada, sem que ninguém a percorresse, farei de você um orgulho, uma alegria para todas as gerações. Você beberá o leite das nações e será amamentada por mulheres nobres. Então você saberá que eu, o Senhor, sou o seu Salvador, o seu Redentor, o Poderoso de Jacó. Em vez de bronze eu lhe trarei ouro, e em vez de ferro, prata. Em vez de madeira eu lhe trarei bronze, e em vez de pedras, ferro. Farei da paz o seu dominador, da justiça, o seu governador. Não se ouvirá mais falar de violência em sua terra, nem de ruína e destruição dentro de suas fronteiras. Os seus muros você chamará salvação, e as suas portas, louvor. O sol não será mais a sua luz de dia, e você não terá mais o brilho do luar, pois o Senhor será a sua luz para sempre; o seu Deus será a sua glória. O seu sol nunca se porá, e a sua lua nunca desaparecerá, porque o Senhor será a sua luz, para sempre e os seus dias de tristeza terão fim. Então todo o seu povo será justo, e possuirá a terra para sempre. Ele é o renovo que plantei, obra das minhas mãos, para manifestação da minha glória. O mais pequenino se tornará mil, o menor será uma nação poderosa. Eu sou o Senhor; na hora certa farei que isso aconteça depressa. “

Isaías 60:15-22. Somos Igreja de Cristo na Terra, isto deve nos bastar enquanto vivermos na terra e
enquanto não chegarmos no Céu.


Quero responder algumas perguntas que são feitas:

  1. Igreja Metodista tem partido político? Absolutamente não temos nenhum partido, muito menos de estimação ou de tradição. Quanto aos partidos a Igreja recomenda que os membros em sua cidadania podem atuar em algum partido, mas deve escolher um partido, cujos projetos e valores, coadunem o máximo possível com os valores defendidos pela Igreja, que tem como sua regra e prática os valores da Bíblia Sagrada, lida e interpretada de maneira séria e responsável. Se você perceber que a ideologia de algum partido político contraria valores essenciais da fé cristã e do Reino de Deus, não se envolva com ele e aconselhe outros a igualmente não o fazer, pois será pernicioso para o nosso exercício da cidadania cristã na terra. Use sua liberdade de escolha para discernir o que é bom e assim ajudar nosso País em um processo de desenvolvimento justo e solidário. Devido a natureza humana ser marcada pela queda e o pecado não há partidos políticos cujos valores centrais plenamente coadunem com todos os valores do Reino, porém há em alguns deles valores que, em certos aspectos se aproximam daquilo que nos ensina o Evangelho. Contudo, há partidos que abertamente se posicionam totalmente contra os valores da fé cristã. São agremiações partidárias que negam a família tradicional enquanto instituição Divina, ameaçam a liberdade religiosa e tentam cercear o direito de ir e vir. Entidades políticas que criam mecanismos que se forem aplicados tirarão do cidadão brasileiro a liberdade de, até mesmo, expressar livre e responsavelmente suas ideias. Aparentam querer mudanças, mas uma atenta observação de suas propostas mostrará que estão apenas desejosos de conquistar o poder e fazer valer a sua ideologia. Na busca do poder pelo poder promovem a desconstrução da fé crista visando atender demandas e interesses de parcelas da sociedade que nutrem desvios morais e pregam estilos de vidas totalmente opostos a proposta do Evangelho de Cristo. Antes de apoiar qualquer agremiação político-partidário, a luz da fé e moral cristã, analise bem os programas, busque conhecer a história passada e o presente de suas lideranças e procure ver quais são suas reais motivações e intenções para com o povo brasileiro. Enquanto cristão tenha sempre como sua causa o Reino de Deus e a sua justiça. Embora sejamos cidadãos terrenos jamais podemos perder esse foco.
  2. A Igreja faz opção por alguma ideologia, de esquerda, centro ou de direita? Absolutamente não! A Igreja de Jesus Cristo possui ideologia própria, a do Reino de Deus. Não podemos deixar que as ideologias influenciem a Igreja, em especial em seus valores morais e éticos, familiares e econômico. Obviamente que somos cidadãos da terra e precisamos nos envolver com as questões da vida humana ao nosso redor. Sim, devemos, mas sem, contudo, absorver valores presentes em ideologias, que independente de seu espectro contrariam os princípios defendidos pelo Reino de Deus. Toda atenção se faz é necessária quando se trata de envolvimentos ideológicos. Devemos ter sempre em mente que tais ideologias são temporais, ocasionais em cada cultura ou nação e passam por alterações com o tempo, mas os valores do Reino de Deus são eternos e quando vivenciados são capazes de aperfeiçoar a humanidade e edificar uma sociedade mais amorosa, justa e equitativa. Isto por meio da obra transformadora de Jesus Cristo, cancelando o poder do pecado e criando uma nova vida pessoal e comunitária. Todos nós temos nossas posições que são frutos de influências adquiridas ao longo na vida, através da escola, universidades, livros, mas nosso, enquanto verdadeiramente cristãos, é atingido quando tais correntes ideológicas contrariam os valores do Reino que estão pelo Espírito Santo enraizados em nossos corações e vidas. Assim sendo observe, examine bem, e discernindo valores contrários, fuja de ideologias políticas-partidárias que intencionalmente planejem e trabalhem para destruir sua fé e retirar a Bíblia da centralidade de nossa vida pessoal, comunitária e social. Não somente fuja de tais sistemas ideológicos, mas também alerte e, se possível, leve muitos outros com você! Tenha sempre como regra e princípio 1a Tessalonicenses 5:21, onde Paulo diz que devemos analisar tudo e reter apenas aquilo que seja bom, primeiro para o reino de Deus e depois para nós na Igreja que servimos.
  3. Podemos participar de manifestações públicas de candidatos ou partidos políticos? Quero aqui lembrar a todos vocês que um dos valores que defendemos como cidadãos e cristãos é o da liberdade com responsabilidade. Enquanto Igreja Metodista não tratamos o Rebanho de Deus como gado, e nem nossas comunidades como fazendas de porteiras fechadas, mas procuramos preparar nosso povo para servir a Deus e ao próximo, dentro de seu contexto de rua, bairro, cidade e nação. Nosso discipulado cristão não é para gerar meninos/as na fé ou membros ignorantes e cegos, mas ensinamos a ser pessoas de fé firmada na sã doutrina, ensinamos a ter e guardar os valores do Reino em seu coração e caráter, ensinamos a discernir os espíritos e assim se defender do diabo e de todo engano que surge no mundo religioso, político e ideológico. Portanto, sua participação é livre, porém você precisa considerar seus valores e testemunho público de sua fé. É preciso que em seus atos se manifeste os valores de Cristo, conforme nos diz a Palavra: Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. 1 João 2:6. Dito isto, creio que se você tem real conhecimento das pessoas e partidos com os quais está alinhado politicamente, passou pelo crivo das Escrituras, da ética e da moral, a ideologia que escolheu para si, certamente a sua participação terá como resultados o glorificar a Deus através de sua vida e ministério no mundo. Agora, se for para envergonhar o Evangelho e trair as doutrinas cristãs e os valores do Reino, em nome de alguém ou alguma ideologia partidária, melhor ficar em casa e orar por sua conversão genuína e maturidade espiritual. Depois você poderá até ir para a rua, porém tendo o proposito claro de verdadeiramente honrar a Deus, sendo luz no mundo e sal da terra, participando de alguma manifestação pública com consciência e compromisso firmados no Evangelho de Cristo e não em homens e ideologias.
  4. Neste 7 de setembro ou outra data posso ir para as ruas? Seguindo o que eu disse no item anterior, acrescento que, antes de mais nada devemos estar atentos e separar bem as coisas, analisando se equívocos políticos e distorções de nossa fé e cidadania não estão misturados a tais programações cívicas. Se for uma programação civil e pública para celebrar a Pátria, honrar a nossa nação, sim podemos todos sair pelas ruas trajados de verde e amarelo, branco e azul, as cores de nossa Bandeira. Se for apenas para defender a democracia, nossa Constituição, nossa liberdade religiosa, se for para combater os males sociais como racismo, desemprego, exploração da mulher e das crianças, buscando mais segurança para todos, mais trabalho, vejo em tal participação coerência com nossa fé cristã e Tradição Wesleyana. Desde que tudo se faça com decência e ordem, agindo pacificamente, de forma ordeira, sem violência, sem atos de vandalismo contra o patrimônio público e privado. Somado a tudo isso deve imperar o respeito a quem não foi as ruas, entendendo que consiste a cada um o usar de seu direito e liberdade para participar ou não de tais eventos, sem que sinta medo ou culpa. Algumas perguntas devemos nos fazer: O chamado para as manifestações do 7 de setembro preconiza tais propósitos? O que poderá estar por trás de tais convocações? Se eu for vou transmitir qual mensagem? Estarei indo apenas pelos motivos citados acima ou por estar me alinhando ao atual governo de forma cega e acrítica? Estarei honrado nossa Pátria ou sendo escudo do governo atual? Estarei apoiando a democracia ou dando forças a um governo que ameaça andar também fora das 4 linhas da Constituição se outros andarem? Nosso Presidente precisa dar segurança aos brasileiros, evidenciar de forma clara que fará tudo de forma legal e constitucional para defender nossa Constituição, mesmo que outros saindo das 4 linhas e assim ferindo-a. Ainda que outros saiam dos limites constitucionais, o Presidente do Poder Executivo, deve fazer valer a Constituição a qual jurou cumprir, e não seguir após quem dela se desviou. Cabe ao senado federal analisar se o STF tem saído das 4 linhas da constituição e me parece que sim, e também o levar a cumprir a mesma. Até porque o STF são os intérpretes da lei e precisam ser exemplos, não estar acima dela. Que os poderes constituídos não se provoquem, mas ajudem a nação a estar pacificada e liderada. Prezados irmãos e irmãs, nossa postura e palavras podem revelar nossas reais intenções, de fazer o certo custe o custar, ou de ceder e fazer errado, pelo simples motivo de que outros estão fazendo. Portanto, analise bem a realidade, ore a Deus e tome sua decisão de forma responsável, não posso dizer a você para que vá ou deixe de ir. Mas, se eu não for, vou estar transmitindo qual mensagem aos outros que irão? Se for, vá por sua consciência e escolha pessoal e não se preocupe o que vão pensar de você. Em não indo, muitos pensarão que você não está sendo brasileiro, patriota, não ama a nação. Outros pensarão que você é da esquerda, da oposição ao atual governo, que é do gabinete do ódio. Também pensarão que você defende o socialismo, autoritarismo, militarismo, que você quer que o Brasil se torne uma Venezuela ou Cuba. Enfim, pensarão que você apoia o golpe, que está a favor do STF e contra o Presidente. Não deixe tais suposições confundirem sua cabeça, busque sabedoria em Deus e peça muita direção ao Espirito Santo para sua vida e suas tomadas de decisões. Como Igreja não apoiamos nenhum movimento político e ideológico que queira dividir a nação. Como igreja fazemos oposição aos desmandos, as corrupções existentes, as más gestões do dinheiro público, as propinas com o dinheiro dos impostos que se deve investir na saúde, na educação, na segurança, etc. Portanto, apoiamos e oramos para que o atual governo seja honesto, faça muitas obras para o povo, invista bem o nosso dinheiro, ajude o Brasil a ser melhor, promova seu crescimento para gerar empregos, sem gerar paternalismo crie programas de geração de renda para os mais necessitados enquanto estão desempregados. Nosso atual governo, assim como governos anteriores, comete vários erros, mas também tem tido muitos acertos em diversas áreas sob sua administração. Como não aceitamos ser guiados cegamente por nenhum governo, podemos reagir aos desmandos com oração e manifestação responsável, visando correção de rotas nos erros e continuidade nos acertos. Nossa força está em Deus, nos joelhos que se dobram em oração sincera, mas também estará em 2022 no voto consciente, direcionado aos propósitos do reino manifestado de alguma forma, por meio de alguém que Deus permitirá ser eleito para conduzir nossa nação. Peçamos a Deus, desde já, sabedoria e discernimento para o nosso futuro, isto se, até lá, Cristo não tiver voltado ainda. Deixamos claro que os cristãos em sua individualidade devem participar ativamente de ações sociais que promovam a democracia e a liberdade, tanto religiosa como a individual. Assim sendo, deixamos claro que a Igreja de Jesus Cristo não possui e não é um partido político, muito menos se apoia em ideologias, seja de direita, centro ou de esquerda. Acima de qualquer espectro ideológico partidário a Igreja rechaça todo extremismo ou fundamentalismo. Como cidadãs e cidadãos do Reino nós, em Nome do Príncipe da Paz, buscamos ter, viver e promover a paz. Não procuramos individualmente depender dos armamentos bélicos, ainda que entendamos que o Estado deve ser bem armado e nos dar segurança pública. Mas, para vencer as nossas batalhas e bem de nossa nação, pela fé e oração confiamos em Deus que nos municia com armas espirituais, “…porque as armas de nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas” (2 Co 10.4). Povo de Deus, metodistas da Quinta Região, os tempos são difíceis, complicados, complexos, paradoxais, contraditórios, doentios, perigosos, por isso precisamos tomar cuidado com o nosso procedimento e posturas diante uns dos outros e do mundo que nos observa enquanto cristãos.
  5. De maneira pratica qual deve ser nossa ação neste tempo? a. Nossa vocação primeira é testemunhar da graça de Deus a toda criatura humana. Nosso chamado é para pregar o Evangelho de Jesus Cristo a todas as pessoas, sejam quem forem. Entende porque a Igreja e os cristãos não pode colocar a política e os políticos em primeiro lugar? A Igreja precisa estar acima de tudo e de todos na sociedade humana, por causa de sua nobre missão e ministério de reconciliação do ser humano com Deus. Ser fiel a nossa vocação acima de tudo gera uma unidade na igreja, não somente para pregar o Evangelho, mas para combater todo mal que nos cerca, não pelo viés político, mas pela Palavra de Deus e nosso compromisso com Ele e com o corpo de Cristo em primeiro lugar.
    b. Devemos orar pelas autoridades instituída, seja ela qual for e de que partido for. É triste ver cristãos se levantando contra as autoridades e xingando até com palavrões tais autoridades. Entenda, não estou falando que o cristão não pode fazer críticas construtivas e também se posicionar contra algum valor ou ensino de autoridade, que contradiz o Evangelho de Cristo. Estou dizendo que a Igreja não pode e não deve se aliar aos poderosos da terra para se promoverem ou para querer defender a Igreja. Não, a igreja é defendida por Deus e seu Cristo no poder do Espirito Santo. Não fomos chamados para governar a nação, fomos chamados para influenciar as famílias da nação com nosso testemunho e poder do Evangelho. Oremos muito e trabalhemos muito para que Jesus Cristo reine sobre nós e sobre a nação, mas no interior dos corações, não no poder político da nação. Oremos para Deus converter os corações pelo caminho do arrependimento, mudança de vida. Oremos para que a Igreja caminhe em unidade, para combater os males que assolam a nação. Oremos para que a Igreja seja voz profética sobre a nação e autoridade constituída, seja ela quem for. A Igreja precisa estar acima destas crises institucionais e políticas da nação, não se deixando ser usada para fins eleitoreiros de esquerda ou de direita. Oremos e muito Igreja. c. Devemos ficar atentos as necessidades das pessoas e tentar ajuda-las no que for possível. A Igreja precisa estar atenta a realidade humana para ajudá-la no que for necessário. Não podemos aliar nossa misericórdia as vontades políticas e partidárias. Os governos não se cansam de usar os pobres para se promoverem com dinheiro de ricos empresários e banqueiros que somente pensam nos lucros e na manutenção do poder econômico. Os governos de modo geral usam nossos impostos para promoverem programas sociais a favor de si mesmos, cada um/a que governa muda de nomes os programas, mas não mudam suas intenções e interesses eleitoreiros. Obvio que pode haver exceção aos fatos e as pessoas envolvidas, mas de modo geral agem assim e ainda querem nos fazer de massa de manobra para seus intentos de poder e eleições. Existimos para ajudar as pessoas que nos cercam, esta é nossa vocação como Igreja de Jesus Cristo. Prestamos um relevante serviço a nação quando levamos pessoas a Cristo, quando ajudamos na recuperação dos dependentes químicos, na restauração das pessoas de ruas, quando promovemos uma educação com princípios cristãos, quando plantamos Igrejas nas esquinas e vemos fechar os botecos da vizinhança, etc. Igreja do Senhor Jesus, vamos realizar com temor, amor e alegria o serviço que nos está proposto. Deus vai nos honrar e suprir nossas necessidades, de forma que não precisamos depender de governos para fazer o bem ao próximo. Se governos desejam nos ajudar em nossa missão, não é porque são bons, mas é porque usam nosso dinheiro para servir também as pessoas. d. Devemos sempre respeitar quem pensa diferente. Você deve ser tolerante com quem possui posições diferentes da sua. Respeitar e reagir de forma cristã as afrontas e perseguições que existem fazem parte do desafio de ser cidadão do Reino de Deus e profetas desta geração. e. Devemos provocar com responsabilidade nossas autoridades para promoverem mais segurança para a população. A Igreja metodista é contra o armamento da população. Jesus Cristo é contra o uso das armas que matam e ferem o próximo. Devemos ser prudentes e cuidadosos com nossas vidas, famílias e nosso lar, devemos buscar nossa segurança da melhor forma possível, porém, as armas não resolvem, pois os criminosos que chegam em sua casa, que Deus nos livre disto, estão muito melhor preparados belicamente falando. Veja o que tem acontecido com cidades inteiras, como ocorreu há poucos dias em Araçatuba. Não somente ore, mas tranque bem sua porta e se cuide ao chegar em casa, isto enquanto nossos governos não promovam mais segurança para todos nós. Creio que, com a graça de Deus, vamos chegar lá, por isso precisamos pedir a Deus que levante políticos honestos, de grande visão para a nação, que, de fato, combata a corrupção. Devemos pedir a Deus que ajude a polícia militar de cada cidade, que os governos invistam para que os policiais recebam maior preparo emocional, treinamento, condições e ferramentas de trabalho, e assim possam promover maior segurança para eles e a população. f. A pandemia ainda não acabou, devemos continuar nos cuidando e cuidando dos outros. Siga os protocolos onde for necessário e tome as vacinas como uma das formas de se proteger.

Que Deus nos ajude e nos fortaleça neste tempo de grandes desafios para nossa fé e nossa missão.

Abraços fraternos em Cristo para você e sua casa.


Bispo Adonias P. do Lago.
São Jose do rio Preto, 05 de setembro de 2021

Gostou desse artigo? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar