Viver por fé é preciso!

Vivemos em tempos de transformações intensas e acredito que em nenhum momento anterior da história, a humanidade experimentou um nível de mudanças tão acentuado e em tão pouco tempo, como em nossa geração. A tecnologia veio para ficar e tomou conta de tudo, alterando a maneira de fazer as coisas, de consumir, de se relacionar, de viver, enfim, de ser igreja.

Nesses últimos dois anos, ainda mais, com a pandemia do novo coronavírus, a humanidade (a igreja também) precisou se “adaptar” e se “reinventar” para poder sobreviver. Para o futuro, a perspectiva é que a Inteligência Artificial (IA) acelere ainda mais essas mudanças e consolide o domínio da tecnologia a um nível somente imaginado por roteiristas de cinema de ficção.

Como ficamos (enquanto igreja cristã) em meio à essas mudanças, se ainda não conseguimos resolver situações e discussões, com as quais convivemos há muito tempo e que, ainda trazem divisão dentro do Corpo de Cristo e nos impedem de andar em unidade? Como resistir, manter-se vivo e relevante na sociedade em meio à tantas mudanças e incertezas futuras?

A resposta é simples: guiar-se e mover-se pelo poder de Deus que há no Evangelho de Jesus Cristo.

Certa vez ouvi de alguém que a Palavra de Deus não deve ser definida como antiga, moderna ou pós-moderna, mas sim, como eterna. Aí está a chave para a igreja seguir em frente e vencer os desafios que o ano de 2022 apresentará e os demais anos que virão trarão consigo, o poder de Deus que há no Evangelho de Cristo. O Evangelho não se move de acordo com as épocas, costumes ou as vontades humanas. É conduzido por princípios e valores firmados pelo Senhor Jesus para toda a eternidade e a igreja precisa apropriar-se dele e transmiti-lo à sociedade de modo consistente (na vida), para que essa o perceba ao ponto de querê-lo para si, pois temo que em nossos dias, a sociedade não consiga enxergar o Evangelho em ação na vida de muitos que se afirmam cristãos/ãs.

O que fazer então? Em sua carta aos Romanos, o apóstolo Paulo nos dá uma direção para seguir. Ele escreve: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. Porque a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: “O justo viverá por fé” (Rm 1.16-17).Em primeiro lugar, “vestir-se” do Evangelho, como se fosse a roupa cotidiana do cristão/ã, para que todos vejam na sua casa, trabalho, Igreja, enfim, nos seus relacionamentos; precisamos ser conhecidos pela prática dos valores e princípios desse Evangelho. Sermos “espelho” de Cristo, para que as pessoas olhem e queiram imitar, “perfumar” o ambiente onde está com o “bom perfume” do Senhor, dar o sabor que o “sal da terra” dá à essa geração superficial, “alumiar” as pessoas para que consigam enxergar as trevas em que vivem, “apontar” o caminho que traz consigo a verdade e conduz à única vida verdadeira e eterna, chamado Jesus Cristo. Não se envergonhar de “vestir” a roupa do Evangelho e testemunhar com toda vivência e força seus princípios e valores, que são atemporais e eternos e servem para reconciliar o ser humano pecador com nosso Deus Santo, por meio de seu Filho Jesus Cristo.Em segundo lugar, confiar e tomar posse do poder que há nesse Evangelho. Muitos/as confiam em carros, outros em cavalos (Salmo 20.7). Outros/as “surfam em ondas” passageiras que acabam por corromper a mensagem de Cristo. Ainda, outros/as tantos/as (e são muitos/as), confiam em poderes políticos e colocam neles a sua esperança para que a igreja continue. Carros quebram, cavalos morrem, “ondas” passam e poderes políticos acabam ou se corrompem. A igreja não pode confiar em forças humanas, coisas dessa terra, senão está fadada a desaparecer junto com tudo isso. A igreja precisa sim, confiar e se apropriar do poder de Deus.

Você compreende? Do poder de Deus, que está no Evangelho. Só o Cristo revelado no Evangelho pode realizar no ser humano o maior milagre, que é salvá-lo de si mesmo e, consequentemente de satanás e sua destruição eterna e transportá-lo para o Reino da Vida. Só o Evangelho pode transformar o ser humano caído em alguém regenerado à imagem e semelhança de Deus, como foi criado no princípio. Por fim, em tempos de incertezas, o que podemos ter de certeza é que Jesus Cristo está conosco até o fim dos tempos (Mateus 28.20). E, se Ele está conosco, não temos nada a temer. Se Ele está conosco, estejamos também lado a lado “caminhando” com as pessoas, numa caminhada conhecida entre nós por discipulado. E, essa fé de que Cristo está conosco, mesmo que não o vemos fisicamente, nos dá a certeza que necessitamos para viver, discipular e avançar, cientes que temos nas mãos a “arma” mais poderosa que todas, o poder de Deus revelado no Evangelho de Cristo.

Apropriar-se dele, encarná-lo, pregar e testemunhar seu poder e guiar-se por ele; assim venceremos não só mais um ano, mas permaneceremos nesta terra como Igreja do Senhor, enquanto Ele quiser, pois é com Seu poder que lutamos, nos mantemos de pé e avançamos rumo à eternidade.

Em suma, viver por fé, firmados/as no poder que há no Evangelho do Filho do Deus Vivo, Jesus Cristo, é a chave para a vitória da Igreja. Deus abençoe a todos/as e um 2022 cheio do poder de Deus sobre a vida de seu povo, em nome de Jesus!

Gilberto Fontana, pastor na IM Nova Andradina (MS)

Gostou desse artigo? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar