Notícias de vida para vida!

Certa vez, li que algumas coisas são explicadas pela ciência, e outras, pela fé. No caso da Páscoa, a ciência explica muitas coisas, mas é um evento que ganha contornos bem definidos a partir da ótica da fé. Do ponto de vista bíblico, histórico e teológico das Escrituras no Antigo Testamento – é a ação de Deus para libertar o seu povo do Egito, e conduzí-lo rumo à terra prometida de Canaã.

A expressão Páscoa ou Pesah, significa “saltar para a liberdade”, “passar por cima”, “atravessar por cima”. Sua celebração deve estar carregada de sentido quanto aos atos salvíficos de Deus, quando Ele mesmo concedeu proteção, livramento e vida para o Seu povo.

A celebração da Pascoa passou a ser marcada pela alegria e certeza da presença de Deus entre o povo. São muitas as maravilhosas e milagrosas notícias a respeito da Páscoa.

Li uma história sobre um certo homem que vendo sua casa desabar e tudo se perdendo, em meio aos escombros estavam muitas jóias valiosíssimas e pertences, e ele disse: “Não compensa morrer por isso!”

Mas, Jesus olhou para as nossas vidas e atentou que valeria morrer por cada uma delas.

Passando os nossos olhos da fé para as páginas do Novo Testamento, a Páscoa é resignificada, na pessoa do próprio Cristo, que passa em meio à humanidade, oferecendo o perdão pelos nossos pecados, e nova vida, e a vida eterna – para tanto quanto, Ele morreu na cruz e ressuscitou.

O apóstolo Paulo nos dá notícias de que Cristo depois de ressurreto apareceu para várias pessoas, inclusive, o próprio apóstolo (cf. 1Co 15.6). Apareceu a Maria Madalena e a outra Maria (Mt 28.1-8), os discípulos enquanto pescavam (Jo 21.1-14), os viajantes no caminho para Emaús (Lc 24.13-31), onze discípulos no cenáculo (Jo 20.19), e para mais de quinhentos irmãos/ãs (1Co 15.6).

As notícias são de que Cristo Jesus ressurreto ofereceu palavras de encorajamento, que os encheu de alegria e a certeza de Sua presença. Para Maria, Ele pergunta: “Porque choras? (Jo 20.15)” E, assegura-lhe que está vivo, aos corações temerosos, Ele disse: “Não temais! (Mt 28.10), à pessoa de Tomé reafirma a necessidade do ato de sempre crer (Jo 20.27), aos caminhantes de Emaús, Ele compartilhou das Escrituras, fato que lhes aqueceu o coração e os fez voltar para o lugar de oração e aguardar a promessa do envio do Espírito Santo. Para Paulo, que perseguia todos os crentes para os prenderem, Cristo lhe aparece no caminho de Damasco, e o torna um anunciador das notícias da ressurreição – “Cristo crucificado e ressurreto!”

A celebração da Páscoa deve ser anunciada para todos/as, para trazer à memória o que pode dar esperança, já que pisamos o chão da vida e essa vivida em meio às muitas contradições e fragilidades. Contudo, em Cristo ouvimos a mensagem: “eis que estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (Mt 28.18b).

Ricardo de Souza, pastor na IM em Ourinhos (SP)

Gostou desse artigo? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar