Missionário, orgânico e sistêmico

Os Evangelhos apresentam Jesus realizando a missão para a qual foi designado pelo Pai: “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19.10). Para realizar a missão de salvar o mundo, Ele chama alguns para serem seus discípulos com a finalidade de capacitá-los. Considerando o contexto dos Evangelhos, percebemos que discipulado é um processo relacional intencional adotado por Jesus que envolve a missão, o corpo vivo de Cristo e uma estrutura sistêmica.  

O discipulado, por ser um processo relacional missionário, precisa investir essencialmente em três conceitos:

O discipulado é essencialmente missionário

Ao chamar pescadores para andar com Ele, Jesus diz: “farei de vocês pescadores de homens” (Mt 419); a linguagem figurada: “pescadores de homens”, nos assevera que a essência do discipulado é a preparação para a missão; é capacitação para levar a salvação do evangelho ao mundo.

Em Mateus 28.19, Jesus explicita o propósito missionário do discipulado: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, (…)”. Jesus está dizendo: “Preguem salvação ao mundo!” Sem discipulado, a missão fica incompleta, torna-se superficial. 

Assim, pensar em missão é pensar em discipulado; e, pensar em discipulado é pensar na edificação da igreja, corpo de Cristo, organismo vivo que tem a missão de levar salvação ao mundo.

O discipulado é essencialmente orgânico  

A Igreja é o corpo vivo de Cristo, e, pela ação do Espírito Santo, atua como organismo vivo, transmitindo vida e salvação ao mundo. Entendemos que o discipulado como um processo capacitador deve ser adotado como fundamental para a dinâmica orgânica da missão. Qualificar o discipulado como algo acessório é um erro. O discipulado não é um processo alternativo à missão da Igreja, mas, de fundamental importância. Assim, torna-se vital que sua importância, seus conceitos e suas práticas sejam conscientemente introjetados em todos os membros do corpo de Cristo.

Uma igreja só alcançará um agir missionário harmonioso e saudável se todos os seus membros adquirirem a consciência sobre a importância do discipulado para a missão. Não se edifica uma igreja missionária sem que a mesma conheça com clareza o seu propósito. Por discipulado orgânico, entendemos que os princípios e prática precisam permear a consciência missionária de todos os membros do Corpo.

O discipulado é essencialmente sistêmico

Este conceito abrange a integralidade do processo do discipulado. Poderíamos dizer que é o Plano de Ação Missionário da Igreja Local, através do qual, todas as etapas do processo do discipulado estariam claramente bem definidas. Seria a definição da ação missionária como um todo pela igreja, onde o processo é definido como mais importante do que ações isoladas.

O verdadeiro discipulado não tem nada a ver com modelos ou visões milagrosas. É primeiramente missionário, porque foi para isso que Jesus nos chamou; depois orgânico, porque fazemos parte da Igreja de Cristo; e, por último sistêmico, porque um corpo é organizado por partes. Contudo, o discipulado não tem vida em si mesmo, precisa da presença de Deus. Tudo começa e termina em Deus!

Ubiratan Silva, pastor na IM Central em Campo Grande (MS)

Gostou desse artigo? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar