Logotipo Igreja Metodista 5ª Região Eclesiástica

A Igreja Metodista começou como um movimento de renovação dentro da Igreja Anglicana da Inglaterra, no século 18, com os pastores Carlos e João Wesley. Este último ficou conhecido, historicamente, como o organizador do movimento, sendo chamado de fundador da Igreja. Mas eles não estavam sozinhos. A Igreja Metodista é fruto de uma experiência comunitária. Para informações detalhadas, sugerimos a bibliografia resumida apresentada no final.

No Brasil, o Metodismo teve um início com a vinda de missionários norte-americanos, em meados do século 19. A primeira tentativa fracassou, pois a guerra civil naquele país minou os recursos para a permanência dos missionários no Brasil. Com a chegada do rev. Newman ao interior de São Paulo, começou a implantação definitiva do metodismo no Brasil. Em 1881, chegou aqui o rev. James Ransom, que fundou o primeiro jornal metodista, que está até hoje em circulação: o Expositor Cristão. A primeira escola metodista foi fundada em Piracicaba, pela educadora e missionária Martha Watts. A Igreja Metodista segue cumprindo a regra de João Wesley no aspecto educacional da missão: “Vamos unir ciência e piedade vital, há tanto tempo separadas”. E também no aspecto social: “O cristianismo é uma religião essencialmente social. Torná-lo uma religião solitária é, na verdade, destruí-lo”. Há mais de 250 anos, procuramos sempre ser uma “comunidade missionária a serviço do povo”.

“Dá-me cem homens que nada odeiem senão o pecado, que nada temam senão Deus e que nada busquem senão almas perdidas, e eu transformarei o mundo em chamas”.

Essa frase de João Wesley sinaliza alguns dos pontos principais do pensamento e prática metodistas. São eles:

  • a ideia de comunidade, de grupo (“Dá-me dez homens”);
  • a necessidade indispensável da santidade (“que nada odeiem senão o pecado”);
  • a prioridade absoluta de Deus na vida interior (“que nada temam senão Deus”) e
  • a urgência suprema da evangelização (“que nada busquem senão almas perdidas”).

Wesley tinha consciência de que esses quatro itens produziriam profundo impacto não apenas na espiritualidade das pessoas, mas também nas estruturas e sistemas do mundo (“eu transformarei o mundo em chamas”). Na Igreja Metodista, a preocupação é com o bem-estar integral do ser humano. Assim, a Igreja cumpre sua missão por meio das igrejas locais, instituições educacionais, instituições de saúde, pastorais específicas (como as pastorais indígenas, da terra, junto aos encarcerados, junto aos enfermos, bóias-frias, mães sozinhas com seus filhos, toxicômanos, portadores de deficiência, entre outras), além do apoio e integração em movimentos sociais e órgãos afins com a proposta bíblica e cristã.

Bibliografia da História Metodista

Heitzenrater, Richard P. Wesley e o povo chamado metodista. São Bernardo do Campo/Rio de Janeiro: Editeo/Bennett, 1996

Dornellas, João Wesley. Pequena história do povo chamado metodista. Lins: Ialim, 2002

Salvador, José Gonçalves. História do metodismo no Brasil. Rio de Janeiro: IM Vila Isabel, s/d

Reily, Duncan A. Momentos decisivos do metodismo. São Bernardo do Campo: Imprensa Metodista, 1991