Cuidado acima de tudo

Este ano, a proposta da Igreja Metodista, segundo suas ênfases, é trabalhar a unidade no Corpo de Cristo. Logicamente que este tema terá em todos os aspectos o discipulado caminhando transversalmente em cada ação da igreja. Há mais de uma década, a Igreja Metodista já milita na área do discipulado, porém nos últimos sete anos vimos um aprofundamento no tema e também uma firmação mais consistente de que fazer discípulas e discípulos faz parte da próprio carisma da Igreja (Mt 28.18-20).

Infelizmente, como todo termo importante, o discipulado também já sofre com seus pejorativos e “discipular” em muitos lugares tornou-se sinônimo de estudo bíblico, reuniões de comilança, encontros, conferências, etc.
Em meio a este universo de métodos para se ganhar vidas surgem também termos como mentoria, coaching, intencionalidade. Quero pegar este último, que é a intencionalidade, para propor uma reflexão sobre a realidade de que, na mesma velocidade que as igrejas vivenciam a chegada de novos membros em um período curto de tempo, ela (a igreja), também experimenta uma desistência maciça e assustadora de seus participantes.

Surge então a pergunta: Por qual motivo isto está acontecendo?

Alguns poderão dizer e até com certa razão que a tentativa de implantação do modelo foi equivocada ou da forma errada, porém em se tratando de organismo vivo, que é a Igreja, é muita inocência achar que o mesmo modelo para uma comunidade serve para todas as outras. Paulo apresenta-nos Filipos, Tessalônica, Corinto, entre outras igrejas e cada uma tem sua peculiaridade, portanto, é utopia achar que uma fórmula que deu certo, fluiu em uma, dará em todas, porém o fato de ser diferentes não quer dizer que não vivenciaram o discipulado.

Voltando na questão da intencionalidade e tentando responder sobre o esvaziamento, precisamos estar atentos para o fato de que nossa igreja está se aproximando bem das pessoas e somos bons nisso, porém estamos perdendo “de goleada” em relação ao cuidado.

Precisamos lembrar que discipulado sem cuidado é igual a zero! Não basta ganhar. Não basta encher igrejas e mostrar cultos e mais cultos com casa cheia, se não cuidarmos de quem nos aproximamos intencionalmente. O que a igreja tem feito com as centenas de pessoas que “aceitam” Jesus em cada culto ou encontro? Será que os/as que ministram entendem que ao aceitarem Jesus tais pessoas precisarão de cuidado?

Quantas igrejas hoje, em cada culto, têm uma estrutura pronta para cuidar realmente dos/as que aceitaram Jesus? Quantos/as desses/as serão levados/as para suas casas, terão seus endereços anotados e, durante a semana receberão uma visita de alguém com o forte desejo de ouví-los/as e oferecer ajuda necessária?

Não discuto que a Igreja tem que ganhar pessoas para ganhar outras mais, mas é necessário que o cuidado real e verdadeiro venha em primeiro lugar sempre e creio que esta é a maior expressão de discipulado. Jesus cuidou de todos/as os/as que foram dados a Ele. Que Deus nos ajude!

Lindomar Nascimento, pastor na IM em Morro Agudo (SP)

Publicado originalmente no IR Nº 138

Gostou desse texto? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar