Abraços. Há braços…

Conforme nos chegamos às pessoas, naturalmente nos abraçamos. Somos assim, calorosos/as, amigos/as, irmãos/ãs, e há amigos/as que são mais chegados/as que irmãos/ãs. Muitos/as já havia tempo que não se viam e agora nesse encontro podem, com liberdade, se abraçar e matar a saudade. Chegam de vários lugares, sozinhos/as ou com famílias inteiras, o importante é que vieram. Estar juntos num grande encontro nos faz bem, nos completa, nos fortalece. Sejamos bem-vindos/as!Naturalmente podemos saber porque somos assim, fomos feitos/as à imagem e semelhança de Deus – Imago Dei. Nosso criador é ser que abraça, acolhe, se relaciona, gosta de estar junto. Reconhecemos e adoramos um Deus que abraça a humanidade; um Deus de perto, com seus braços capazes de abraçar a todos/as de uma só vez, mas ao mesmo tempo abraçar individualmente a cada um/a nas suas especificidades. E, assim fomos feitos/as.

Ah, como é bom saber que o abraço tem origem e fundamentação divina. Por meio do abraço lutador, um homem se encontrou com Deus no vau de Jaboque. No abraço instrutor, em cima do monte, o povo recebeu a boa instrução de condutas para o seu bem viver. No abraço pastoral, o salmista entendeu que a partir de então, nada lhe faltaria. Nos abraços proféticos, a nação percebeu que nada fica escondido e que é preciso voltar a ouvir a voz de comando celestial. No abraço acolhedor e abençoador, as crianças fazem parte do reino dos céus, aliás, é delas o reino de Deus. Nos abraços via correspondências, a Igreja se fortaleceu e se capacitou para a missão. No abraço final, a esperança e a paz foram anunciadas àqueles/as que permaneceram fiéis até o fim.

Juntos/as, unidos/as e abraçados/as na fraternidade e na irmandade, cantamos um hino ao Senhor:

“Nos céus, e no mar e na terra,
Nos bosques, nos prados em flor,
No fragoso alcantil,
Na amplitude celeste,
Um hino ressoa ao Senhor”
(HE – 120).

Nossos braços não são como os de Deus, são curtos e muitas vezes preguiçosos. Abraçamos somente aqueles/as que nos são chegados/as ou que nos oferecem algo, e por qualquer motivo se encolhem e não querem mais abraçar.

Há tantas pessoas carentes de um abraço, de um afago, mas a preguiça nos impede muitas vezes de irmos ao encontro delas. Preferimos ficar na nossa comodidade e no nosso conforto.
É preciso coragem para reconhecer nossa falha. Falhamos ao não compartilhar com outros/as o abraço recebido; falhamos quando não tomamos a iniciativa de promover abraços que sustentam a vida.

Quando o filho, virando as costas para o pai e indo viver uma vida esbanjadora, ao cair em si e tendo a consciência de seus erros, encontrou o abraço incondicional e perdoador de seu amoroso pai (Lucas 15.11-32). Na figura desse pai enxergamos Deus sempre disposto a nos abraçar oferecendo o seu perdão. Deus é um “esbanjador” de abraços e de amor.
No abraço e nos braços de Deus nos sentimos em paz e seguimos o nosso caminho abraçando e repartindo a paz que nos foi dada.

Recordando o abraço pastoral de Deus que providencia tudo o que é necessário para a nossa subsistência, e de nada sentimos falta, louvamos e engrandecemos a Deus pelas suas maravilhas. Depois de sermos abraçados/as e perdoados/as só nos resta agradecer a Deus por tudo. Nos momentos mais difíceis, Deus sempre entra com providência e sustento.

Somos brasileiros/as, povo caloroso, afetuoso, gostamos de abraçar e beijar, isso faz parte de nossa cultura e quando não podemos agir assim é porque tem alguma coisa errada. Afastar-se de abraçar não nos faz muito sentido, mas às vezes, é preciso.

A vida tem os seus ciclos e seu próprio tempo. O controlador de tudo isso é Deus, porém, cabe-nos a decisão de viver intensamente cada minuto e cada situação. Nas escolhas que nos cabe, devemos assumir as consequências, sejam elas boas ou ruins e isso dependerá se fizermos boas escolhas ou não. O que temos escolhido?

Estamos vivendo atualmente o tempo de afastar-se de abraçar, fugindo de uma contaminação virótica em massa. Decidimos nos recolher e não nos abraçarmos pelo tempo necessário. Mas, não estamos acostumados/as com isso, sofremos, nos angustiamos e ficamos ansiosos/as. É preciso lembrar que tudo tem o seu tempo determinado. O tempo de afastar-se de abraçar não será eterno, logo passará e poderemos novamente nos abraçar e nos alegrar. Devemos confiar no Senhor dos tempos, pois nada foge ao Seu controle.

Nossa esperança é de que o tempo em que teremos que viver afastados/as uns/umas dos/as outros/as seja o mais breve possível. Enquanto isso, aprendamos a valorizar a importância do abraço. Assim que pudermos, vamos abraçar bem forte os nossos/as amigos/as, os nossos/as irmãos/ãs, o nosso pai, a nossa mãe; dar um abraço até em nossos/as inimigos/as. Não sabemos por quanto tempo os/as teremos perto de nós. Não sabemos quantas oportunidades a mais teremos. Usemos, assim que possível, nossos braços para abraçar com carinho, afeto e amor.

A confiança e a segurança de um abraço me vêm à mente, neste poema de Dietrich Bonhoeffer.

“De bons poderes sinto-me cercado,
Bem protegido e, de fato, consolado;
Assim desejo eu passar os dias
E ter convosco um ano de alegrias.
De bons poderes vemo-nos cercados,
De pensamentos para o bem voltados.
Deus está presente noite e dia,
Assim é certa hoje sua alegria”.

Há braços para abraçar.

A missão é feita nos caminhos da vida, mas também no aconchego do lar, em épocas de recolhimento e de afastar-se do abraço, e precisa continuar. Deus nos deu inteligência e criatividade. Coloquemos em prática, aprendendo e descobrindo novas maneiras de comunicação e de compartilhamento do abraço divino que nos traz paz e esperança.
“Sejamos luz do mundo, como quer Jesus, espargindo sempre alegria a flux. Muitos têm a vida num sofrer sem par. Oh! Fazei a todos vossa luz brilhar” (HE – 398).

Que Deus nos abençoe e nos abrace sempre!

Adi Éber Pereira Borges, pastor na congregação em Jd. Primavera, Birigui (SP)

Gostou desse artigo? Passe adiante!

Compartilhar no facebook
Compartilhar
Compartilhar no twitter
Compartilhar
Compartilhar no linkedin
Compartilhar
Compartilhar no pinterest
Compartilhar